22 jan 2019

O que preciso para calcular a rentabilidade da minha empresa?

A rentabilidade é um importante analisar vários aspectos, no desempenho positivo do seu negócio. Serve para calcular e avaliar o potencial que o negócio tem com base no investimento realizado, despesas e sua aquisição ou estruturação.

Para se chegar à rentabilidade, basta dividir o lucro da empresa, aferido em um determinado período de tempo, pelo valor do investimento inicial na constituição do seu negócio ou o valor atual da empresa. Ressalto também que o acompanhamento atualizado do fluxo de caixa, as análises constantes na variação da margem de vendas e impostos, o estoque estruturado e a automatização no seu negócio, irá proporcionar equilíbrio e estabilidade nos lucros e rendimentos.

 

Entenda a diferença entre lucratividade e rentabilidade na gestão eficiente negócio!

  • Lucratividade: é realizado o cálculo referente os dados financeiros de produtos ou serviços vendidos em um determinado mês e a receita bruta pelo faturamento. Receita das vendas menos as despesas e custos, deduções e tributos.

É importante saber os custos por cada produto ou serviço que irá ofertar ao seu público alvo, para formar um bom preço de venda compatível ao mercado, então conseguira visualizar a demanda e o retorno nítido do seu lucro.

Imagine que sua lucratividade seja 10%. Então, a cada R$ 2.800,00 que vender sobrará R$ 280,00 de lucro para sua empresa, com todos os descontos já subtraídos.

 

  • Rentabilidade: o cálculo para análise é dividir o valor do investimento inicial total pelo resultado do fluxo de caixa anual. Assim, terá o retorno ou rentabilidade por ano apresentada e a possibilidade de realizar o planejamento para novos investimentos.

O cálculo de rentabilidade é feito da seguinte forma: dividido o lucro da empresa em um determinado período pelo valor do investimento inicial ou atual.

Suponha que a estimativa de faturamento bruto mensal do seu negócio é de R$ 40 mil e lucro líquido de R$ 3.200, o cálculo seria 3.200,00/40.000,00 apresentando o lucro líquido é 8% do faturamento. Saber o valor de faturamento mensal, te possibilita efetuar analises de comparação entre os meses e com isso poderá realizar mudanças necessárias para aumentar sempre mais seus rendimentos.

A diferença da lucratividade e a rentabilidade é que na rentabilidade não usa a receita bruta, mas sim os investimentos feitos no empreendimento. Estar ciente da sua rentabilidade fara com que evite acumular dívidas e prejuízos futuros. Vale está atento e não se deixar levar pelo entusiasmo no alto número de vendas ou enxergar apenas a rentabilidade, pensando que seu negócio está fluindo bem, os dois fatores precisam ser positivos e caminharem juntos, e a rentabilidade tem que ser sempre maior que seu investimento, só assim permitirá tomar decisões e alterações certas na gestão, aumentar as vendas, realizar corte de gastos quando necessário, entre outros. Empreender e concretizar seu negócio é um desafio que envolve diversas atividades, como; definição de preços, estratégias de vendas e a contabilidade do negócio.

 

Retorno do investimento

O empresário precisa ter conhecimento total do seu capital a ser investido (capital inicial), somente assim conseguira realizar um cálculo preciso.

Para iniciar o negócio, realizamos a soma do total de investimento realizado com o imobilizado (móveis, equipamentos, imóvel etc), os custos fixos, o estoque necessário conforme demanda e o capital de giro próprio ou de terceiros. Quanto ao prazo de retorno do investimento, será descoberto, dividindo o investimento total pelo lucro líquido.

Para exemplificar, imagine uma franquia montada há um ano no valor de R$ 480 mil, que gere lucro mensal de R$ 12 mil. O resultado seria 40 meses de retorno.

Levantamentos necessários para calcular a rentabilidade

  • Definição de custos: considerar as despesas diretas e indiretas da produção e também investimentos feitos em publicidade, marketing e vendas. Com isso, será apresentado o custo real para a produção e venda do seu serviço e/ou produtos.

 

  • Analise de mercado: considerar quando definir os preços só é definido após a conclusão do público-alvo que irá atingir. Dessa forma, ficará nítido quais são as pessoas que utiliza seus produtos e o valor dado a eles, além de identificar e moldar quando necessário, através das avaliações na oscilação de mercado e concorrentes.
  • Margem de contribuição: é o lucro cálculos entre os custos e vendas. Representa o valor que a empresa ganha após pagar todos os custos e realizar todas as vendas mensal. Para obter o cálculo, subtrai os custos diretos de produção do total de vendas e tem a possibilidade de avaliar cada produto de forma isolada ou total de vendas, sendo possível identificar em ambos os produtos que agregou maior retorno.

 

  • Atente-se para o seu estoque: é extremamente importante o controle do estoque, no armazenamento, demanda de produtos e avaliação de preferencias dos clientes, para não gerar prejuízos com perda ou falta de produtos. Uma alternativa de melhorar o processo no controle de estoque, de maneira organizada e atualizada na gestão de compras e vendas é enquadrar a automatização de um software.

 

  • Enquadrar tecnologia: quando falamos de softwares na gestão de estoque, garantimos o benefício de um trabalho mais eficiente, prático e organizado. O crescimento do seu negócio será mais visível e positivo, para esta sempre analisando, planejamento e aprimorando.

 

  • Desempenho dos colaboradores: as despesas trabalhistas obrigatórias, gera um alto custo de investimento e impacta nos lucros, necessitando da produtividade dos colaboradores para trazer retorno. Ocorre em forma de cadeia, pois colaboradores produzem melhor quando motivados. Portanto, é de extrema importante acompanhar o desempenho de cada um, realizar projetos, treinamentos, normas de trabalho e motivação organizacional, entre outros. Tem sido cada vez mais frequente a contratação de serviços terceirizados, para reduzir gastos e comprometimentos diretamente com o funcionário.